Como o neoliberalismo colonizou o feminismo — e o que você pode fazer sobre isso

Tradução do texto originalmente publicado na The Conversation em 23 de maio de 2018 por Catherine Rottenberg.

Image for post
Alexi Lubomirski/PA Wire/PA Images

De repente, todo mundo quer reivindicar o rótulo feminista. Da diretor de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, a Ivanka Trump, um número sem precedentes de mulheres executivas de alto nível se declaram publicamente feministas. O mercado parece estar colonizando pautas feministas.

De fato, identificar-se como feminista não só se tornou uma fonte de orgulho, mas também serve como capital cultural para as estrelas de Hollywood e celebridades da música, tanto que a nova “palavra com F ” literalmente inundou a mídia social e mainstream. Meghan Markle, a nova princesa feminista do Reino Unido, é apenas o exemplo mais recente de uma longa lista. Não é surpresa que “feminismo” seja a palavra do ano da Merriam-Webster em 2017.

O movimento pela igualdade de gênero, então, está cada vez mais envolvido com o neoliberalismo, que mobilizou o feminismo para promover objetivos políticos e aumentar o valor de mercado. No entanto, ao mesmo tempo, uma forma diferente de feminismo também inesperadamente ganhou popularidade.

Na esteira da eleição de Trump e do reaparecimento do sexismo desavergonhado na esfera pública, uma nova onda de militância feminista de massa apareceu na paisagem política, que tenta ir além da simples identificação para facilitar a mudança social.

O ressurgimento de protestos e mobilizações feministas em larga escala, como a Marcha das Mulheres e o movimento #MeToo, serve como um importante contra-ataque a ascensão de manifestações de feminismo não opositivo.

Feminismo neoliberal

Então, como podemos entender o renascimento feminista contemporâneo com suas manifestações tão diferentes e conflitantes?

Ao longo da última meia década, testemunhamos o surgimento de uma variante peculiar do feminismo, particularmente nos EUA e no Reino Unido, uma variante que foi desvinculada de ideais sociais como igualdade, direitos e justiça. Chamo isso de feminismo neoliberal, pois reconhece a desigualdade de gênero (diferenciando-se do pós-feminismo, que se concentra no “empoderamento” e “escolha” individual das mulheres, mas repudia o feminismo) e, ao mesmo tempo, nega que as estruturas socioeconômicas e culturais moldem nossas vidas.

Esse é precisamente o tipo de feminismo que informa os manifestos mais vendidos, como o Lean In, de Sheryl Sandberg, em que as mulheres são interpretadas como pulverizadas completamente, auto-empoderadas e empreendedoras.

Sim, o feminismo neoliberal pode reconhecer a diferença salarial entre os sexos e o assédio sexual como sinais de desigualdade continuada. Mas as soluções postas suprimem a desconexão estrutural e econômica desses fenômenos. Incessantemente incitando as mulheres a aceitarem a plena responsabilidade por seu próprio bem-estar e autocuidado, o feminismo neoliberal, em última instância, direciona seu discurso para as classes média e média alta, efetivamente apagando a vasta maioria das mulheres de vista. E, uma vez que é informado por um cálculo de mercado, não está interessado em justiça social ou mobilização de massa.

Com a ascensão do feminismo neoliberal, que incentiva as mulheres a se concentrarem em si mesmas e em suas próprias aspirações, o feminismo pode ser mais facilmente popularizado, divulgado e vendido no mercado. Isso porque ele se encaixa quase perfeitamente no capitalismo neoliberal. Esse feminismo é também uma forma descaradamente excludente, abrangendo apenas as chamadas mulheres aspirantes em seu discurso. Ao fazê-lo, ele coisifica o privilégio branco e de classe e a heteronormatividade, prestando-se não apenas às agendas neoliberais, mas também neoconservadoras.

Não há nada sobre esse feminismo que seja ameaçador a estes poderes.

Feminismo ameaçador

No entanto, um dos seus efeitos não intencionais pode constituir uma ameaça. Precisamente porque o feminismo neoliberal facilitou a visibilidade generalizada e a adoção da “palavra com F”, pavimentou simultaneamente o caminho para um movimento feminista militante. Este movimento encoraja a mobilização em massa para desafiar não só as políticas sexistas de Trump, mas também uma agenda neoliberal cada vez mais dominante que coloca os lucros sobre as pessoas.

Algumas das infra-estruturas para a recente onda feminista oposicionista já estavam claramente em vigor. Não esqueçamos que o #MeToo inicialmente surgiu como um movimento de base liderado pela ativista afro-americana Tarana Burke há uma década e vem logo após outras mobilizações, como o SlutWalk (Marcha das Vadias), o movimento transnacional que organizou protestos em todo o mundo contra a cultura do estupro e a culpabilização das vítimas.

No entanto, a #MeToo foi capaz de obter uma ampla divulgação neste momento específico da história — com a eleição e políticas de Trump servindo como os principais gatilhos — porque o feminismo já havia se tornado popular e desejável por Sandberg, Beyoncé e Emma Watson, para citar apenas umas poucas.

Image for post
Terceira Amber Rose SlutWalk anual, no centro de Los Angeles, Califórnia, em 1º de outubro de 2017. Foto: Mike Nelson / EPA

A questão premente agora é como podemos manter e ampliar o renascimento feminista em massa como resistência, enquanto rejeitamos a lógica do feminismo neoliberal. Como podemos manter o feminismo como uma ameaça às muitas forças que continuam a oprimir, excluir e privar todos os segmentos da sociedade?

#MeToo realizou um importante trabalho cultural. Na melhor das hipóteses, expôs como os direitos masculinos saturam nossa cultura. Em última análise, porém, isso não será suficiente. A exposição não é suficiente para garantir uma mudança sistêmica.

Mas existem outros movimentos feministas que surgiram nos últimos anos. O feminismo para os 99%, que ajudou a organizar a International Woman’s Strike, é apenas um exemplo. Esses movimentos expandem significativamente o quadro único de gênero, articulando e protestando contra um leque estonteante de desigualdades enfrentadas por mulheres, minorias e populações precárias em geral.

Esses movimentos feministas estão exigindo dramáticas transformações econômicas, sociais e culturais, criando, assim, visões alternativas, bem como esperança para o futuro. E dado o quão sombrio o futuro parece atualmente para um número cada vez maior de pessoas em todo o mundo, esse é precisamente o tipo de feminismo ameaçador de que precisamos.

Deixe um Comentário